sábado, 23 de junho de 2012

Saguinha.

 

      Corria um vento frio pela pradaria recendida à podridão que brotava dos homens que viviam ali. Como soldados nas trincheiras, camponeses em seus casebres de barro batido lutavam contra a sorte para renascerem no dia seguinte. Comiam da própria carne e bebiam o suco amargo do riacho fétido que corria por entre o lixo.  O cansaço e a revolta germinaram e amadureceram coléricos, tal qual uma sarça ardendo no deserto. Um sapo coaxou no lodo quando Ezequiel, do alto de seus doze anos, guiou uma orda de humanos encarniçados em direção à Cidade.

      O povo chorou quando se deparou com os irmão da margem aposta e abraços foram ofertados. Casas foram queimadas, as ruas foram manchadas de sangue, crianças padeceram e, a partir dali, a liberdade foi confiscada e línguas passaram a se contorcer no chão. Atlas, não suportando mais o peso dos braços, deixou rolar o mundo sobre os pés. Os renegados mandaram todos se foderem e, dizimada a Cidade, agradeçeram a Deus pela graça alcançada pouco antes de se entregarem à esbórnia por semanas a fio de, segundo Ezequiel, merecida putada.

Um comentário:

Cacau. disse...

Que texto divino! Adorei esse (e os tantos outros).
Cê escreve tão bem...