quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Descobrindo.

Meus pensamentos se refazendo repetidos: repasso vinte vezes o que vivi dois minutos atrás. Tudo se funde e se confunde: eu sinto por dois minutos o tempo parar e paro com o tempo, e subitamente os sentidos perdem as funções e o peito lateja aquecido. Cessa a música, as vozes, a temperatura, as dores, as luzes, os medos e as hipóteses e me sobra à lembrança de uns sonhos antigos... É que nem sei mais se sonho ou se vivo.

Então não caibo no meu silêncio, e na minha inexistência e nem mesmo em minha incompreensão enorme e absoluta diante daquilo que é além de mim mesmo. Eu me concentro para me organizar, tentando calmamente juntar vontades às sílabas ao mesmo tempo em que minha cabeça bagunçada por contradições e quereres esquisitos se desprende devagarzinho: eu não controlo, eu não penso. Sorrio por não saber o que fazer comigo, por ver graça no meu desajeito: é engraçado o estranhamento de nós mesmos.

Desisto enfim, e me rendo à dúvida desconhecida e injustificável, quando eu tento, feito idiota, buscar uma certeza incógnita, pois nem sei do que é: perdida em algum canto dentro do tempo, longe demais de onde eu estou agora.

Admiro-a, inexpressivo, com os olhos estáticos sem querer de fato olhá-la, ouço-a com toda atenção que ainda me resta sem esperar ouvir uma palavra do que ela diz, e me invade a boca um turbilhão de versos e frases de efeito: cheias de exagero e algumas mentiras involuntárias que desisto de inventar por não ver mais utilidade nisso.

Aí eu a beijo, e de repente eu descubro que não sei mais fazer absolutamente nada que não for beijá-la.






Cordialmente, com meus pensamentos distorcidos, à S.

8 comentários:

felipe lima disse...

Eu poderia tê-lo escrito, palavra por palavra, se soubesse como dispor as palavras de forma tão magnetizante.
Obrigado pela visita.

Mari Vianna disse...

nossa,
eu VOU ter que voltar aqui e ler com atencao!
adoorei o blog, voce escreve muito bem!
ADOREI o texto, pena que tive que ler correndo!

beeijos

Jaya disse...

Hoje, eu só digo uma coisa:

É bonita essa confusão descomplicada.

Saber beijar a ela, é o suficiente. Cabe o mundo inteiro, nesse espaço. E eu acho que você sabe do que eu tô falando.

Notei leveza nas linhas, após a explosão. Sorrio.

Beijo, Tiago!

Mariana disse...

Que você sempre possa beijá-la...

Samantha Ranny disse...

lindo! adorei em totalidade cada palavra.
meus pensamentos estão igualmente dirigidos à ti.
beijos.

Samantha Ranny disse...

lindo! adorei em totalidade cada palavra.
meus pensamentos estão igualmente dirigidos à ti.
beijos.

a clara menina Clara disse...

Não consigo dizer nada.

Cabeça distorcida.

Robson disse...

Nossa...Precisei parar e retornar depois do primeiro interlúdio... Você á um malvado dos mais talentosos.`
Parabéns... pelo talento claro!
Abraço