sexta-feira, 13 de março de 2009

Ah, vida.

 

Porque entregar-se à ?

                                                   Impulso que lhe quebre as grades ([tu]), carceireiras de         

Quem és agora? –  Perguntou-lhe depois de beijá-lo.

Livre do não saber alheio, anestesia da                                                    Estranho seria aceitar e renagar a espera por

                                                    Que me afaste do julgamento de merda, produto da incapacidade de se colocar em

 

Medo                                                                                 Indagação                                               Mais                                                                                                                   

          Acontecer-nos independe da respiração automática,

                                                                      Forma escrota que tenta nos colocar em moldes, suprimindo

o que não somos?

Nego.

                                                                                                                   

Faço a trama, mesmo que não a pontue         

Mesmo que não sejam meus os intervalos

Não escolho se aqui  sofro                                                       cheio                                                                                             e vivo

Mas eu preencho. Inteiro do que eu quero.

 

reverp  é vida

                                                                                                      

       Eu não vejo muita lógica, mas acho muita graça.

 

 

                                                                           *tristeza, cara. Tristeza.

3 comentários:

Felipe Lima disse...

O que iríamos fazer sem ela?

Gostei da outra banda também.

Jaya disse...

Ilógica, como teus versos soltos. Amarrados. Desatados. Que abraçam, ao mesmo tempo em que se distanciam.

Às vezes, e quase sempre, sorrio simplesmente por não entender.

Vida?

Beijo, Tiago.

[E uns obrigadas sinceros pelas letras deixadas a mim].

Gabriela M. disse...

concretista, poeticamente.
talvez, você seja o Niemeyer das palavras.

então gostei.
;)