sexta-feira, 23 de julho de 2010

Capítulo 1 – Causa e efeito (parte 1)

Seguinte, rapaz, to escrevendo um livro. Só não sei se termino, né. Isso é pra ser uma continuação disso (clique aqui). Então, caso não tenho lido a primeira parte ainda e não queria ler, esse negócio aí embaixo não vai fazer muito sentido. Não vou postar os capítulos todos de uma vez porque ficou grande e eu sei que dá preguiça de ler em computador. Vou postar em partes, esporadicamente. Mas eu preciso da ajuda de vocês, tá? Por favor, comentem e digam o que acham. Isso é importante pra mim. Arte é comunicação, não autoafirmação. Em relação a essa história, isso faz mais diferença ainda. Eu vou me sentir mais seguro pra escrever e continuar. Então, quem ler até o final, faça uma boa ação e dê seu pitaco porque é grátis e faz bem pro o coração ajudar pessoas. haha. Ah! leiam o Égua, doido que tem coisa nova por lá também. Boa leitura. (nem sei o que isso significa direito, mas é uma expressão legal :).

________________________________________________________________________________________________

      Ele agora sonha com ela. Sonha sem querer e acorda meio perturbado. Já se passaram duas semanas. Nada mudou de significativo na vida de nenhum dos dois. Ambos continuaram suas rotinas bestas e elas não se cruzaram em nenhum momento. Eles viraram uma curiosidade sadia, alegre, e um pouquinho frustrante por não poder ser saciada. Vou contar o que aconteceu porque eu sou um narrador bonzinho. Mentira, eu não sou, mas eu tenho que contar a história de forma que ela tenha alguma lógica. Que ninguém me cobre sentido: isso é com vocês. Enfim, foi assim: depois de entregar o papel umedecido de suor, ele correu. Correu sorrindo, desajeitado, louco e feliz. Correu como uma gazela assustada, a moça ficou olhando ele se afastar sem entender porra nenhuma. O rapaz chegou à parada ofegante e pegou o primeiro o ônibus que passou, depois colocou os fones de ouvido e voltou pra casa com o coração socando o peito e um sorriso idiota.

      Tudo que ela lhe deu foi um olhar surpreso. “As sobrancelhas reprovaram tudo... Ela me achou ridículo... Foda-se... Mil vezes foda-se”, enquanto ele pensava nisso, os “fodasses” vibraram baixinho em palavras e a senhora que estava sentada do seu lado, que tinha lá seus sessenta anos, o olhou espantada. Ele a encarou sorrindo de volta e deu uma piscada. Então ela arregalou os olhos, se levantou e foi sentar na cadeira da frente. Ele ficou gargalhando e se divertindo sozinho. Pensou que faria mais sucesso se tivesse um papel, uma caneta e entregasse um bilhete à senhora dizendo que curte loucas-aventuras-sexuais-sadomasoquistas com mulheres grisalhas, enrugadas, com sobrepeso e que já entraram há tempos na menopausa. Alguns passageiros o olharam com pena e ele sentiu pena de volta por eles não estarem rindo.

      Nenhum número de telefone, nenhum nome próprio, nenhuma arroba de nenhum email. Só as palavras injustificadas de um delírio bobo. Um querer tão sincero que ele não conseguiu querer em silêncio. Vocês já fizeram algo só pra não saber o que fazer depois? É como se embebedar: tu ficas eufórico e livre porque acaba desconcertado. Ele até pensou em ir até ela e roubar um beijo de língua, só pra levar uma tapa na cara e ficar gargalhando depois. Mas ela daria a tapa antes dele conseguir enfiar a língua nela e isso não seria muito elegante, da parte dos dois. Além do mais, ele não queria um beijo roubado, queria um beijo pedido. Por isso entregou a carta, pra ela se apaixonar por ele e sofrer desejando seus beijos. Porque ele se apaixonaria se alguém o entregasse algo daquele tipo. E, como ele se acha muito interessante, alguém igualmente muito interessante teria sentimentos semelhantes à paixão despertados. Ele se acha, né, vâmo combinar. Esse cara deve sentir mais prazer tentando beijar de língua os próprios cotovelos do que as bocas de quem não o ache, no mínimo, o máximo. Talvez seja por isso que ele não deixou nenhum contato, afinal: não suportaria a ideia de que alguém que ele superestimou tanto quanto aquela moça o desprezasse. Ele é prepotente: costuma relevar a opinião da maioria das pessoas, porque não leva a sério a maioria das pessoas. Ser ignorado por alguém pelo qual ele teve tanto e tão puro apreço, seria uma merda. Ele preferiu dar-se o benefício da dúvida. Beijar ela não era o mais importante, o importante era ela saber o que ele queria.

      Centenas de hipóteses, conjecturas e suposições passaram pela sua cabeça de vento que teimou em ficar inventando coisas improváveis. Só houve ela durante umas horas, o resto do mundo foi reocupando seu espaço pouco a pouco. Depois de uns dias, ele começou a pensar nela como um brinquedo descartável: ele brincou sozinho só pra quebrá-lo. Contou a história orgulhoso pra seus amigos, mais do que acostumados com suas esquisitices, e as opiniões foram contraditórias: uns o acharam idiota, outros o acharam romântico, idealista, uns disseram que ele foi corajoso e outros o recriminaram por ter sido tão bunda mole. Todos riram e se divertiram muito. Ele se divertia contando e concluiu que, de um jeito torto, aquela moça o fez bem. Fez ele fazer poesia, ainda que feia. Ele já a reviveu narrando a mesma saga sentimental pra umas quinze pessoas diferentes. Sabia que contaria aquilo pra seus netos um dia e daria um conselho melodramático do tipo: “sempre sonhem porque é aí que tá a graça da vida”. E seus netos o achariam um velho esclerosado. Apesar de tudo, ele não ficou obcecado nela. Ela vem em sua cabeça de vez em quando, num daqueles pensamentos bobos que surpreendem a gente vindos de lugar nenhum. Ele pensa, sorri, se recrimina e depois fala baixinho que valeu a pena. Fez o que não precisava ser feito, fez porque quis e sentiu a alma leve depois. Há anos ele não corria. Ela foi um quadro que ele ousou tocar e depois fugiu pra não ser preso. A verdade é que ele foi frouxo e não teve coragem pra rabiscá-lo. Mas ele segue muito bem: até beijou de língua duas outras meninas depois do acontecido pra provar a si mesmo que moça com a camisa do Snoopy foi um jogo que ele jogou e abriu mão de saber o resultado. “A língua dela era só um músculo feio como qualquer outra língua. Além do mais, ela é bem mais encantadora desconhecida, parece perfeita”, falou à Beatriz. Nisso a gente tem que concordar com ele: tudo cabe na incerteza. E línguas são coisas estranhas.

_____________________________________________________________________________________

E aí, o que acharam, hein? Hein? Hein? Caso tenha gostado, espalha pra quem gosta de literatura e de coisas estranhas que tem um maluco escrevendo um livro em um blog e diz pra ler isso. Vou agradecer imensamente, e nem vai ser em silêncio. :D

7 comentários:

Jússia Carvalho disse...

Eu lembrei das novelas que o José de Alencar escrevia nos jornais. Passou o tempo, mudou o escritor, mudou a mídia, mas a história é fantástica e faz eu ter vontade de ler o próximo capítulo. Com urgência!

Luciana disse...

Hm, olá (: Esta é a primeira vez que me manifesto aqui, apesar de acompanhar o teu blog há algum tempo. Nem lembro como cheguei aqui, mas lembro perfeitamente que o que me cativou de verdade, dentro de todos os textos incríveis que tu escreves (os vídeos também!), foi justamente o "embrião" desse post, aquele "Oi? (primeira e, talvez, última parte :)". Talvez pela sinceridade do texto, talvez pelo simples prazer de saber que ainda existe alguém assim no mundo. Bom, acho que se tu não soubesse que teu texto é, no mínimo, razoável, não postaria aqui, então não vou me rasgar nos elogios que tu mereces - tanto pelo post original, quanto pela continuação e, enfim, pelo blog. Na época do "Oi?", fiz questão de mandar o texto para um amigo meu que costuma ter fantasias muito parecidas com garotas nos ônibus. Mandei também a continuação, ele se comprometeu a ler assim que possível (provavelmente, vai comentar também. Se os teus apelos motivaram até tímidas como eu, duvido que não motivem seres naturalmente expressivos como ele :P). Por favor, continue com esses textos - ou melhor, o livro. Fico na espera (: - obs. na minha opinião, "boa leitura" é comparável com "bom apetite": igualmente difundida e enigmática, ainda que a primeira seja bem mais legal.

Tiago Júlio disse...

Putz, eu não esperava comentários assim, não.
Muito obrigado mesmo. Foi importante eu ler isso porque agora tô imaginando quantas pessoas acompanham o blog e preferem fazer isso em silêncio. Não sei quem és tu, Luciana, mas acho que as pessoas deveriam seguir teu exemplo. haha.
'Brigado de verdade pela recomendação, pelo comentário e pelo teu tempo. Foi muito bom ler isso. E não precisa ficar com vergonha de falar comigo. Eu sou legal e gosto de conversar. :)
E "bom apetite" é totalmente nada a ver. haha!

Ah! Quero aproveitar pra dizer que eu não vou deixar de escrever como sempre escrevi pra me dedicar só a esta história.

Paula Baiadori disse...

Olá,
O agBook, da AlphaGraphics, publica livros sob demanda de forma fácil e totalmente gratuita. Para publicar, basta acessar www.agbook.com.br e efetuar seu cadastro.
O principal objetivo do agbook é apoiar novos escritores brasileiros e ainda oferecer todas as técnicas para que o autor não somente publique o seu livro como também o promova de maneira eficiente.
Coloco meus contatos à disposição para qualquer dúvida pbaiadori@alphagraphics.com.br
Abraços.

Carlo disse...

Tão expressivo quanto ele... tá, né. Bem, oi, eu sou o amigo expressivo, aka Carlo. Olha... se tu não te inspirou em ti pra escrever esses dois textos, eu sou o teu personagem. Chega a ficar meio ridículo pra mim ser tão explícito como eu penso, mas não tem como dizer que não é assim haahhaa. Bah, sério, muito bons esses textos. Pura verdade. Se tu for assim também, eu vou me sentir menos especial, mas enfim vai ter alguém que entende como eu penso. Se precisar de alguns desses casos de fazer-só-por-tentar, estamos aí a disposição :D

Tiago Júlio disse...

Haha. Oi, amigo expressivo. :D
Tem uma frase de não-sei-quem que diz que "toda literatura é autobiografica". Não sei se concordo com ela. Mas acho que tudo que a gente escreve, inventado ou não, sai de dentro da gente. É como modelar a essência ou dar ordem aos devaneios.
Eu entendo muito bem como tu te sentes, pode acreditar. hahah.
Muito obrigado pelos elogios. Quando alguém se vê no que eu escrevo, escrever faz mais sentido. :)
Ó, meu msn tá nos comentários do post aí em cima. Me adiciona que a gente conversa melhor sobre isso, se tu quiser.
'Brigado de novo.

Anônimo disse...

Igz b anf q hot sex movies, free porn. Uql x, fxz jdiing|sgt evtakmc r jr wj.