quinta-feira, 21 de abril de 2011

Branca de Neve.

     

      Henrique abriu a caixa de entrada e surpreendeu-se com a quantidade de mensagens. Ele não costumava receber tantos e-mails e, por alto, viu mais de cinquenta. Quando percebeu que a maioria deles era de conhecidos, pressentiu que algo muito ruim havia acontecido. Depois de respirar fundo, clicou em uma das mensagens e anexado a ela estava uma foto. Seu coração acelerou, gotas de suor escorriam pela sua testa e seus pés começaram a tremer. Então Henrique teve o pensamento mais profundo, inteligente e lógico que poderia ter no pico de seu estresse emocional: “Fodeu tudo”.

      Ele tinha trinta anos, morava com os pais numa cidade do interior, era formado em computação e estava desempregado. Uma tragédia daquelas não era exatamente o que ele esperava para sua vida. Henrique ainda não tinha aprendido que é inútil esperar coisas específicas do futuro, mas depois entendeu que não se deve confiar no destino. As suas fotos, mais o vídeo que ele descobriu depois, circulavam em correntes de e-mails, viravam posts de blogs famosos, entraram no trendig topic do Twitter, serviam de inspiração para montagens bizarras e para uns e outros pervertidos secretos. Henrique, que era um cara acomodado e nunca sabia exatamente a hora certa de começar a se preocupar, estava desesperado.

      Semanas atrás ele havia transado com a Carlinha. Carlinha era uma moça conhecida na cidade de Henrique. Todos falavam que ela era garota de programa. Apesar de a informação ter sido apurada e confirmada, ela nunca foi divulgada abertamente por alguém com muita credibilidade. Havia pouco mais de cem mil pessoas ali, a maioria delas se conhecia de vista e era conveniente a discrição. Ninguém lúcido delataria Carlinha porque a maioria de seus clientes eram senhores casados e ela era conhecida por ser impulsiva e meio doida. Colocando em pratos limpos: comer o rabo dela deixava quem comia de rabo preso. Henrique comeu e não pagou. Não tinha dinheiro. Ela disse que ele iria se arrepender da canalhice, mas isso aconteceu só no início.

      Não sei o que Henrique tinha na cabeça nem as neuroses que o motivaram a ter um desejo daqueles e, sinceramente, não quero saber e tenho medo de descobrir. Fato é que ele transou com Carlinha vestido de Branca de Neve. Usou a fantasia completa que a irmã tinha comprado para o carnaval anterior: um saião amarelo com a blusinha azul, simulando um vestido, mais a peruca chanel com a travessa vermelha. Henrique estava com a barba por fazer, acima do peso e aquela roupa não lhe caia nada bem. Carlinha gargalhava e pediu para fazer fotos e é evidente que Henrique não teria deixado, teria inclusive atirado o celular pela janela, mas ele havia bebido muita vodka. Sua foto com o dedinho na boca, ereto, cruzando as pernas e com o vestido levantado foi uma das mais comentadas e o vídeo onde ele aparecia fazendo uma dancinha bizarra tornou-se o mais visto do Youtube por semanas. Henrique ganhou o mundo.

      Ele permaneceu dias trancado no quarto, chorando, não conseguia nem levantar a cabeça para falar com os pais. Sentia-se completamente humilhado e só conseguia pensar em suicídio. A cidade inteira ficou sabendo do episódio, mesmo quem nunca havia se conectado à internet assistiu o vídeo. Ele foi o assunto mais comentado por semanas. Seus pais permaneceram muito constrangidos e envergonhados mesmo meses após sua partida. Sem muitas opções e vendo-se perdido, Henrique aceitou um convite e foi para os Estados Unidos. Uma grande produtora de filmes pornôs percebeu na repercussão do caso a possibilidade de fazer uma excelente campanha de marketing e acharam improvável aquilo não dar certo.

      O filme de Henrique foi realmente um sucesso. Ele tornou-se um ator famoso e hoje mora em Los Angeles. Às vezes se sente um pouco deprimido, com saudades de casa, com pudor do corpo e com um pouco de pena das suas colegas de trabalho. Mas a internet já havia lhe tirado a dignidade e agora ele pode chorar enquanto toma champanhe numa Jacuzzi. Se pudesse voltar atrás, Henrique não voltaria. Passou a encarar o sucesso e a fama que a exposição desnecessária lhe deu como sorte. Evidente que transar bêbado foi um erro, mas acredito que nós somos resultados mais de nossos erros que dos acertos. Ao menos a intimidade pública de Henrique lhe rende, além de alguma vergonha, uma vida confortável ao invés de apenas entretenimento barato para os outros. No meio de tanta gente mendigando audiência e querendo se promover exibindo-se inutilmente, Henrique conseguiu garantir o dele sem muito esforço. Ele obteve, sem querer, o que desejam tantas pessoas sedentas por alguém para condenar apenas por diversão e pela oportunidade de tentar chamar atenção falando coisas estúpidas e ofensivas. Mais idiotas que um bêbado dançando vestido de Branca de Neve que só consegue insultar a si mesmo.

Um comentário:

Natália disse...

'somos resultados mais de nossos erros que dos acertos' Eu concordo, Tiago! =) Quando li 'Branca de Neve' imaginei uma coisa tão ultrarromântica haha Adorei, isso dá filme... filme sobre alguém que faz filmes pornôs...


=*