quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Amputação.

Quando roubaram meu smartphone,
era só ficar longe do notebook,
que eu tinha taquicardia e tristeza aguda,
tal o Tom Hanks,
em Naufrago,
depois que o Wilson se perdeu.

Felizmente, dá pra parcelar em até 12 vezes, sem juros,
Wilsons na Yamada.


Acho que eu escrevo aqui agora mais por nostalgia e carinho do que por qualquer outra coisa mais relevante que justificasse, de fato, eu ainda escrever por aqui. Sei que a constância de leitores num blog depende, diretamente, da frequência com que ele é atualizado com coisas novas e o público deste aqui nunca passou nem perto de ser grande. Assim, dado o total desleixo e irregularidade com que posto no Vago, tenho consciência de que, se ainda vem alguém por essas bandas, é por acidente, não por constância ou esperança de encontrar novidades. No entanto, não tenho como desmerecer ou ignorar a importância deste espaço pra mim e acho, de verdade, que esta novidade merece estar primeiro aqui, não em outro lugar. 

Seguinte: juntei coisas que eu já havia escrito, desenterrei umas bobagens, escrevi outras inéditas, e, enfim, agora eu tenho poesias suficientes reunidas em algo que pode ser considerado um livro. O nome é "Aqui por acaso" e é cheio de despretensão, experimentalismo, gracinhas e outras coisas vagabundas. O poema aí de cima faz parte dele. Tô satisfeito com o resultado porque parei de me neurar querendo fazer algo super-fodástico-capaz-de-produzir-insights-revolucionários. São só ensaios, protótipos e micro-narrativas que não pretendem a seriedade. Combinei de mandar o original pra uma editora em janeiro. Vamo ver no que dá. Mantenho vocês (se é que vocês existem e não tô falando sozinho) informados. 

Ah! De vez eu nunca eu volto a postar aqui, prometo. 

Abraços.



3 comentários:

Bruno Medeiros disse...

Acertou na previsão. Passei aqui por acidente, mas confesso que continuei aqui por consciência de que teu blog é bacana!

Sei que esta vida de blogueiro é difícil. Eu tive um blog há três anos. Um blog literário (aquelas bobagens que adolescentes fazem para ganhar brindes). Cansei tanto dele que parei de ler blogs por meses.

Porém, não sei por qual motivo, hoje me deu uma vontade de postar. Talvez o motivo que me levou a esse desejo foi o de, no futuro, poder ler o que eu pensava. É legal essa sensação. Sentir a evolução dos pensamentos.

Espero que volte a postar, mas se não voltar, te desejo muita muita muita sorte e o dobro de paciência e o triplo de vontade de escrever! Abraços

Anônimo disse...

eu passei por aqui por esperança... nao deixe de escrever aqui, eu visito sempre... desde 2009 .... uma vez por mes passo religiosamente para ler e reler teus textos

Anônimo disse...

Vou sentir falta dos textos no blog. Mas espero, em breve, sentir o cheiro da tua escrita neste livro que está por vir.

Não para de escrever.