segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Despedaços.

 

      Há segredos nos minutos que antecedem o sono. Quando a nossa mente vaga meio sem rumo, mareando águas passadas, buscando se afogar. A gente começa a lembrar de coisas gastas, coisas de longe, agora já são quase rabiscos de coisas. Memórias quebradas cujos cacos a gente não mostra pra ninguém. São nossos quebra-cabeças inúteis, são peças teimosas que não ficaram pelo caminho. Cenas, falas, passeios, risos, dores, umas lágrimas. Qualquer coisa assim que veio junto com alguém que já foi embora. Gente com as quais dividimos uma parte da vida. Dividimos, na verdade, pra multiplicar, pra intensificar. Pra nos permitirmos sermos mudados, pra vermos tudo de outro jeito. Pra nos reafirmarmos sendo diferentes.

      De repente, acontece do que nos mudou se mudar da gente. Ir pra outro lado de um jeito tão estranho quanto veio pra o nosso. E descruzamos nossos caminhos, como se fosse normal, porque a vida é assim mesmo: cheia dessa normalidade aparente pra disfarçar toda nossa incompreensão. E aquele pedaço de vida vira memória. Quem era presente vira lembrança. Às vezes a gente pensa nessas coisas pra ajudar a dormir: tentando enganar o tempo pra ver se ajudamos ele a enganar a gente. E os pensamentos vêm tortos, desfocados. São segredos porque quem os fez foi embora e não pode mais ouvi-los. Daí sobra esse apertinho no peito, uma agoniazinha besta e a vontade de voltar atrás juntando caquinhos. Porque a vida é assim mesmo, toda despedaçada, despedaçando aos pouquinhos a gente.

9 comentários:

Anônimo disse...

Que bunitinho,rs
-
Gostei do verde.
Paula Sardinha
^^

Repórter de Sandálias disse...

Adorei o texto e o novo visual... Bjs

Louise disse...

Mudar... é bom, trocar a máscara de vez em quando faz bem, tenho uma coleção delas, no entanto sempre encontro uma que parece acomodar mais a minha face.

Anônimo disse...

ihhh, acho que tou me apaixonando.
apenas.

Tiago Júlio disse...

Ah, brigado pelos comentários, elogios e pela atenção, pessoas. :)

Louise: acho que usar máscaras todo tempo deve ser uma coisa muito solitária. Não tem como ser compreendido se tu não te expõe. No texto eu me refiria a mudar a essência mesmo. :)

Anônimo: tá pirando na batatinha. hahah

Marcinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcinha disse...

Tiago, a vida é assim mesmo, muda em todos os momentos. O que era de um jeito ontem, já não é do mesmo jeito hoje, por diversos motivos. Do mesmo jeito que as pessoas vão e vem na nossa vida, mas muitas vezes pelas nossas mudanças e muitas vezes as delas. Mas de cada momento, pessoa, etc, devemos saber retirar apredizados e boas lembranças, para quando deitarmos, pensarmos somente nas coisas boas que estes trouxeram para nós. Não diga despedaçando a gente, e sim, somando na vida da gente.

Respeito sua opnião, mas acho melhor dizer: somar.

Siga-me também. E visite-me:

http://noentusiasmodaspalavras.blogspot.com/

Abrs,

Márcia Lamounier

Tiago Júlio disse...

Marcinha: Concordo que as pessoas somam e acrescentam. Por isso é que a gente acaba mudando: porque conhecemos coisas, pontos de vistas, diferentes dos que a gente tem gente.
Mas é inevitável uma parte nossa ficar com quem já "nos teve". Justamente porque mudamos: um pedaço da gente ficou pra trás. E a vida vai continuar nos mudando e nos despedaçando... E que bom que é assim. A gente precisa mudar pra enxergar coisas novas nas antigas. :)
'Brigado pelo comentário.

Tiago Júlio disse...

"gente tem gente" saiu errado mas é uma frase até que legalzinha. (: